21
janeiro
2018

Reiniciando no esqui (e quase ilhada na Suíça)

Postado por Ana em Viagens da Ana

Há um tempo vinha pensando em dar nova chance para o esqui! É engraçado que aquele esqui alpino que é mais famoso no Brasil nunca me interessou. Claro que a partir de certo nível (e velocidade) se torna um esporte cansativo, você tem que ter força para frear com as pernas e tal. Mas no meu nível seria algo puramente recreativo. E estou numa vibe de fazer exercício físico, sabe? Unir o útil ao agradável!

Meu marido ama e faz há muito tempo o cross-country ski (em alemão Langlauf), mas ele faz o tipo skate. É bem parecido com você patinar, só que de esqui. E foi por isso que minha primeira experiência no esqui, em 2014, foi justamente nessa modalidade – queria fazer o mesmo que ele. A junção de fatores tornou minha experiência péssima na época: as tentativas foram aqui em montanhas perto de casa, na Floresta Negra, que são mais voltadas para quem não é iniciante. Há descidas e subidas – e para piorar quando fui a neve não estava com boa qualidade, estava meio gelo, sabe? Então deslizava muito e quando eu caía até me machucava um pouco. Fiquei meio paralisada pelo medo de só cair e daí começava a congelar (as mãos, aiaiai).

Esse vídeo exemplifica o tipo skate.

O legal do cross country é que você pode praticar no verão, sem neve também! Têm umas espécies de patins-skate só para isso. O problema é que aí se cair é no asfalto mesmo kkkkk.

Bom, pensei então em experimentar o tipo Cross Country clássico, que é esse do vídeo abaixo.

É bem mais fácil que o tipo skate (para quem está começando), mas ainda assim tem a sua técnica. Os skis são mais longos do que da forma skate e têm um grip no meio. Você vê gente andando totalmente sem técnica nenhuma, mas não é isso que eu queria. Esse tipo de esqui te possibilita fazer longos passeios de paisagem incrível ao mesmo tempo que você exercita todo o corpo. Você entra com os esquis nos slopes, que são aquelas trilhas artificiais na neve e dependendo da situação você usa um dos três “passos” possíveis. Dá para entender bem nesse vídeo, por exemplo. E seu amigo pode ir do seu lado com o tipo skate se quiser! 🙂 Então ontem à tarde fizemos mais de 10km dessa forma, juntinhos mas cada um com seu tipo. É tipo o elíptico da academia em nível pesado. Este tipo não exige capacete, até porque você geralmente vai levemente montanha acima e levemente montanha abaixo. É muito divertido e nenhum músculo do seu corpo passa imune. Queria muito amar esse tipo, porque sei lá, quero mais um motivo para gostar o inverno (que não tenho mais odiado at all), um dia poder acompanhar meus filhos nisso, etc.

Para não ter erro escolhemos passar um final de semana nos alpes suíços, em Obergesteln , apenas a 3h de carro aqui – num local onde a neve é fofa e abundante e pistas totalmente ideais. Aliás foi tudo novo para mim, nunca vi tanta neve na minha vida! Parecia uma espécie de mundo avatar, saí de um túnel X e de repente era tudo branco, rs. Não tinha mais espaço para empurrar a leve pros lados, então havia labirintos com paredes de neve, chegando até 2 metros. Quando fomos sexta-feira as estradas de acesso estavam fechadas e o nosso carro pegou um trenzinho (Furka Autoverlad) e eu meio que achei que o maior “problema” era esse. Até porque todo mundo que conhecemos nos disse que lá não tinha risco de ficarmos ilhados, como ocorreu em outros lugares da Suíça há uns dias – teve gente que teve que ser tirada de helicóptero.

Decidi pagar por aulas particulares, bem beabá mesmo e nossa foi a melhor decisão ever. A professora foi ótima! Claro que os movimentos você meio tem que praticar até entrar no hipotálamo, mas eu pelo menos tinha na cabeça o que tinha que fazer, como era a forma correta. Depois das aulas ficamos 3 horas esquiando e no fim eu já não tinha que prestar mais atenção em várias coisas. Acho que fui super bem. E o melhor: me mexendo o tempo todo, com as roupas apropriadas (comprei uma luva nova) não houve espaço nenhum para sentir frio, muito pelo contrário, fiquei até com calor!

Ontem foi o dia mais maravilhoso dos últimos tempos, acordando em nossa linda suíte, um café incrível, aula, esqui, passeios! Chegamos mortos de fome para o jantar no restaurante super gourmet já imaginando que teríamos um domingo igualmente sensacional. Tinha alugado meu material (pela última vez, pois agora que sei que gosto vou comprar), o uso da pistas para 2 dias, a acomodação também para dois dias.

Pois seria cômico se não fosse trágico. Sentamos para jantar, pedimos uma garrafa de vinho e daí meu marido fazendo chit-chat com a garçonete e ela fala: “ah, amanhã vocês não conseguem ir embora. E nem segunda. Hoje à noite já deve fechar tudo por risco de avalanche na estrada“. E daí engolimos seco, ao mesmo tempo que chegou um “Gruß von der Küche” (umas delicinhas que vêm no início da refeição, tipo saudações da cozinha). Eu taquei meu Gruß von der Küche goela abaixo porque a garganta té fechou de pânico. Eu tenho pelo menos 100 pessoas para ver segunda e terça e sem possibilidade de substituição. E meio que já esgotei minha cota de faltar trabalho por desastres naturais, né? kkkkk E já pensou ficar ilhado num lugar assim? Lá não tem nem supermercado nem farmácia nem nada e tudo sendo pago em francos suíços. Com certeza eu não me divertiria com essa situação. Na mesma hora decidimos voltar logo após o jantar. Daí meu marido nem tocou no vinho pra poder dirigir, nós engolimos nosso jantar estrelado, corremos pro quarto, fizemos a mala. Fechamos as contas, tiramos a neve que já soterrava o carro e para não faltar ainda emoção nosso motor a diesel demorou mais que o esperado para iniciar, graças ao frio. Saímos em disparada e conseguimos embarcar o carro no último trem, faltando um minuto para ele sair. O trajeto após o trem era numa quantidade de neve inacreditável. Minha pequena filmagem abaixo dá para sentir o drama – e o medo de o carro pifar nessa hora? Absolutamente vazio, isolado.

Essa sensação de estar fugindo mesmo, sabe? Credo, visão do inferno!!! Rs!!! Chegamos aqui em casa mortos, meia-noite, meio tristes de perdermos nosso domingo lá. A tristeza logo passou quando acordei hoje cedo e vi nas notícias que fecharam tudo após nossa passagem, sem previsão de abrir. Volltreffer!!!

Apesar dessa confusão o saldo foi positivo pois foi o início da minha história feliz com o Cross Country esqui, tenho certeza! 🙂 O bom é que agora me sinto pronta para seguir esquiando aqui perto de casa… de graça! 🙂

PS: infelizmente não estou achando o cabo da minha câmera então ficaram as fotos de celular via e-mail mesmo.


Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
  1. Amanda Trintim 21/01/2018 às 16:04

    Meu Deus, Ana!! Que perrengue!
    Ainda bem que vocês conseguiram voltar! Agora que já aprendeu a esquiar, vai ficar mais fácil.
    Ps.: Nem sabia que existiam tantas modalidades de ski!

  2. karoline 21/01/2018 às 19:37

    Ana, que pesadelo hein!! Que bom que tudo deu certo.
    Eu acho que vocês correram um risco enorme…imagina! Bom nem pensar, mas graças a Deus deu tudo certo.
    Eu esquiei uma vez só e foi um desastre, mas foi nos Estados Unidos. Achei pouca neve…
    Este local dos alpes suiços é legal para esquiar e fazer snowboard?? Morro de vontade de fazer Snowboard, mas e o medo de quebrar algo!!! Você teria algum lugar para indicar para iniciantes ( na suíça mesmo)???
    Agora vai ser muito legal de acompanhar os jogos e inverno de Pyeongchang. Eu era totalmente leiga dessas coisas, mas depois de esquiar e ver o amor que eles tem pelo esporte, eu até assisti Sochi e tudo. hehe
    bjos

  3. Virgínia Gomes 21/01/2018 às 19:42

    Nossa que assustador!! Ainda bem que vocês conseguiram e deu tudo certo!!
    A Suíça é muito linda mesmo! Que bom que você se deu bem no esporte! Morar tão perto dos Alpes e poder realmente aproveitar no inverno deve ser uma delícia!
    Abraços!!

  4. Elisa 23/01/2018 às 21:14

    Ana, vc tá muito caxias. Para mim não há limite de faltas ao trabalho por força da natureza. O que nós, seres tão pequenos, podemos fazer diante dela??? Eu ficaria de boas tomando um vinhozinho. Afinal, como disse seu Madruga, não existe trabalho ruim, ruim é ter que trabalhar.

    • Ana 09/02/2018 às 21:09

      nossa, talvez! mas fico meio sem ar de pensar nesse tanto de gente com consulta desmarcada rsrs
      ps: amo o seu madruga!

      • Elisa 09/02/2018 às 22:52

        Todos amamos! Seu Madruga e Chaves são ídolos absolutos, eternos, atemporais, insuperáveis!!!!

  5. Gabriela 09/02/2018 às 02:27

    Oi! Faz um post sobre a luminária. Parece ser perfeita,

    • Ana 09/02/2018 às 21:10

      acho q vou fazer um resumao das novidades, tem tanta coisa acumulada ja! :))

Comente você também