02
abril
2016

Conhecendo o Inhotim

Postado por Ana em Viagens da Ana

O Inhotim anda bem famoso, né? É um museu “a céu aberto” de arte contemporânea em Brumadinho, a cerca de uma hora de pouco de BH! Vocês acreditam que eu nunca tinha ido? Quem morria de vontade era meu marido, de tanta reportagem positiva sobre lá na imprensa alemã. Estivemos no Brasil agora em março e tiramos um dia para conhecer.

inho1

Dia que, aliás, era nosso aniversário de casamento. <3 Levei minha irmã junto, porque ela é uma vela legal. hehe Então lá fomos nós. Peguei a BR-381 sentido Betim, segui as placas e cheguei, não foi difícil. Difícil foi relembrar o quanto é penoso dirigir no Brasil – nem pelas estradas, mas pela falta de educação no trânsito, putz! Desacostumei. Mas enfim, falemos de coisas boas: o estacionamento lá é muito amplo, tranquilo de parar.

Como era terça-feira, pagamos 25 reais – a inteira – por cabeça (fim-de-semana é 40, quarta é grátis). O dia estava ensolarado e super quente. Mas, sinceramente, vindo de meses de inverno alemão, parei de achar calor ruim! 🙂 Fizemos o passeio todo a pé (não pagamos pelo carrinho pro transporte interno, que custa mais 25 reais por pessoa). O parque está muito grande, não vimos tudo, e olha que chegamos quando abriu. Conseguimos, contudo, ver muita coisa legal. Existem três rotas – rosa, laranja, amarela e que você segue até completar. Fizemos a rosa toda, parte da laranja e algo da amarela. Fiquei impressionada com a conservação, as plantas, a beleza em geral. É tudo muito lindo! Não sei discorrer sobre o tipo de arte que há lá, mas é contemporâneo mesmo. Tudo meio doidão, mas legal.

inhowater

Me lembrou uma exposição da Yoko Ono que vi em Brasília há uns anos. A arquitetura, em alguns momentos, me chamou mais atenção que as obras em si. A arquitetura é interessantíssima! Eu tenho algo a confessar – tenho preguiça das exposições de fotografia. Meu marido gosta, e é um dos maiores sofrimentos da minha vida ter que ficar matando tempo em galeria de fotografia. Me desculpem, mas não gosto, então essas eram minhas galerias ~menos preferidas˜. Já as minhas partes favoritas são as interativas, que são bastante por lá. Quem também gosta de “arte interativa”, privilegie a visita à Galeria Cosmococa! E tem uma coisas muito criativas no geral. Vide essa salinha em que eu já ia passar direto achando que era um vidro a dividindo no meio, quando era só um jogo de luz e sombra.

inhomirror

Achei muito fantástico, gente! ISSO é arte! A lojinha de souvenirs achei bem pobrinha – queria comprar coisinhas mini pra minha casa! Só trouxe lápis, ímã de geladeira e um poster para emoldurar aqui e colocar na minha sala – já, já, em um instagram próximo de você! 😉

Como estava meio vazio, só tinha um restaurante aberto para comer, o Tamboril. Era self-service tipo “coma à vontade”, uma delícia, absurdo de bom – mas 58 reais por cabeça (só a comida salgada) eu acho muito pra ser a única opção aberta no local, sabe? Nos outros dias abre o Restaurante Oiticica , que é por quilo, e fica mais em conta – já ouvi falar que é bom também. Como não fui pensando em post, estávamos todos nós sem câmera – acabei fazendo umas fotinhos com o celular e só. 🙁 Que pena, mas dá pra ter uma idéia da beleza do lugar, né? Vale muito a visita, a fama não é à toa – tem que ir pra ver!

inhotrator

inhococa

inhoblocks

inhofusca

Beijos mineirins

11
agosto
2015

Meu Top 10 do Museu d’Orsay

Postado por Ana em Viagens da Ana

Quando fiz aquele post do Top 10 do Louvre, a intenção era fazer do Musée D’Orsay também, mas ia ficar muito grande. Acabou que enrolei tanto que voltei ao Orsay antes de escrever este post, e aproveitei para reparar bem nos meus favoritos. É quase um clichê ouvir de quem já foi à Paris falar que prefere o D’Orsay ao Louvre. Eu mesma já afirmei isso. Hoje, acho a comparação injusta, não dá para comparar os dois. O D’Orsay é um museu compacto com obras lindas. Lá dentro você não se perde e dá aquela sensação de “missão cumprida” algumas horas depois. O Louvre dá um certo desespero – é completamente gigantesco, mesmo os maiores “leitores de mapa” se perdem lá dentro. Dá uma certa angústia e frustração. Mas se me perguntarem, apesar do conforto maior proporcionado pelo D’Orsay, o Louvre é o Louvre … Segue meu TOP 10 – em ordem meio aleatória – seguindo aquele mesmo critério de gosto pessoal, nada de entendimento profissional das artes, viu? espero que lembrem-se de mim quando virem algumas obras abaixo! 🙂

1) Slaapkamer te Arles (Quarto em Arles), van Gogh

lachambre

O meu gosto é obviamente muito influenciado pelas coisas que via ao longo da vida. Tinha aula de artes no colégio, a professora era uma bruxa, mas algumas coisas me marcaram positivamente. Como não lembrar da quinta série ao ver esse quadro do Van Gogh? O quadro representa o próprio quarto do van Gogh em Arles (na França), e o que eu acho mais interessante é que a portinha à esquerda era pro quarto de hóspedes que ele preparou pro seu amiguinho Gauguin. Na verdade, a versão que está no D’Orsay é a terceira que ele fez, uma espécie de “best of” de suas obras favoritas, mas em tamanho menor. A primeira e segunda versão estão respectivamente em Amsterdam (justo) e Chicago.

Clique aqui para continuar lendo!

13
abril
2015

Onde o Danúbio nasce

Postado por Ana em Viagens da Ana

Acho que muita gente no Brasil conhece a Floresta Negra mais pelo nome da torta homônima que surgiu aqui nesta região. A torta original, aliás, é bem menos doce que a nossa, com muitas cerejas azedinhas e álcool. 🙂 Outra coisa daqui que é super conhecida são os relógios-cuco (um grande original custa pelo menos 1000 euros, aliás). A região abrange muito mais do que Freiburg e tem 6000 quilômetros quadrados e várias outras cidades nas suas entranhas. Ao longo de todo o caminho são muitas árvores apiculadas, tudo super denso, com várias montanhas, gargantas e vales – a floresta vista de longe tem um aspecto escuro, daí o nome.

sch1

Ontem, no meu primeiro “aniversário de mudança de país“, aproveitei que era domingo e o tempo estava perfeito e fomos passear em alguns locais desta área, até chegarmos a uns 70km daqui. As paisagens mais lindas infelizmente são vistas de dentro do carro (ou trem), então vou ficar devendo. Tirei, contudo, fotos em Donaueschingen e da região do lago Titisee – os dois locais são super turísticos, não imaginava que eram assim.

schw3O lago Titisee em Titisee-Neustadt. Esse é o padrão de árvores que se repete por toda a região.

sch10Titisee

Em Donaueschingen é onde nasce o Rio Danúbio (em alemão, Donau) e lá tem um poço famoso que é a chamada “origem do Danúbio”, a Donauquelle. Na verdade, o rio é formado ali perto do poço, onde você vê os rios Breg e Brigach se convergindo bonitinhos. Dali o Danúbio atravessa boa parte da Europa até sua foz no Mar Negro, na Romênia. Até há algumas décadas havia uma briga com a cidade de Furtwangen, que também reinvidicava ter a “origem do Danúbio”. No fim das contas, o “título” ficou oficialmente com a cidade que leva Donau no nome mesmo – eu só não contava que o tal pocinho ia estar todo fechado e em construção. Foi a mini-decepção do dia – mas tomei uma Fürstenberg para compensar a chateação, rs!

sch9Donaueschingen

sch8Donauquelle: faiô!

sch7Donaueschingen

sch6Donaueschingen

sch5Tinha essa nuvem escura, mas juro que estava sol, haha!

sch2Bonecas com a roupinha típica da Floresta Negra

sch4Parque próximo à Donauquelle

Eu já fiz uma retrospectiva do último ano neste post aqui! Ao longo deste passeio eu estava muito feliz e foi inevitável ficar observando e “namorando” a data. Bom, ainda tem muuuuito mais de Floresta Negra a ser explorada … quem sabe no próximo domingo?

Uma ótima semana a todos!

Beijos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 5 de 1512345678910