05
fevereiro
2015

A volta da boca de cachorro

Postado por Ana em Crônicas cosméticas

Lá em 2011 eu escrevi um post no qual eu falava que começara a tomar novos cuidados com meus lábios: protetor solar e esfoliante da Mary Kay. Tudo porque eu honestamente tinha complexo de boca de cachorro. Quatro anos se passaram, continuo usando protetor solar na boca por questão de saúde, mas o aspecto estético não mudou em nada. Já faz um bom tempo, contudo, que eu – marota – aprendi: eu não tenho boca de cão, tenho boca de humana, ué.

coelhoExplosão de photoshop pixel a pixel

A questão é que eu era muito inocente. Ao ver fotos de revistas com bocas ampliadas 4x, fotos em blogs com review de produtos eu não imaginava quanto photoshop havia por trás. Ou ainda: às vezes você nem precisa de photoshop, a iluminação faz 90% do trabalho. Taca um luzão na sua cara que sua pele vira um pêssego.

sarde Do blog Branquela Sardenta: só eu que tenho poros?!

Não condeno as meninas que usam de photoshop em resenha de produtos (tipo 90%) porque

1) A vida real não é macro e se você aumenta sua boca 5x vão aparecer zigziras que vão desviar a atenção do motivo do post
2) Às vezes é necessário mexer na cor da pele para neutralizá-la de fazer a cor de um produto aparecer mais
3) Leitores não gostam de fotos feias
4) Tratamento de imagem é uma coisa completamente normal – até as fotos do nosso casamento recebem tratamento, uma por uma.

brunatavares

Nessas fotos acima da top reviewer Bruna Tavares não tem pouco photoshop não. É muito!! E está bem assim, o blog é muito informativo e tem fotos lindas e por isso é um sucesso. Mas senti que precisava falar disso caso alguém também tenha complexo de boca de cão entre outros. Photoshop existe, amigas.

cao

Beijos!

08
janeiro
2015

Ana na academia alemã

Postado por Ana em Alemanha, Crônicas cosméticas

Eu sempre me achei mais “cabeça aberta” do que a média em se tratando em diferenças culturais. Não costumo julgar hábitos alheios nem taxar povos de “esquisitos” por fazer algo diferente de como nós fazemos. É tudo uma questão de ponto-de-vista no final das contas e sempre foi muito tranquilo entender isso. Em relação às diferenças culturais na Alemanha, eu pessoalmente sei que são várias mas nunca achei nada muito gritante não. Até porque eu sempre tive umas características mais alemãs do que brasileiras: pontual, não-efusiva, sou “na minha” e de contato físico com estranhos sempre preferi aperto de mão. Perfect, né? O próprio fato de vir recebendo as diferenças em “doses homeopáticas” ao longo de vários anos antes de vir me deixou muito bem preparada e nunca me deparei com uma situação que me incomodasse pela diferença.

academia

Mas sempre tem a primeira vez, né? Pra mim a primeira grande estranheza foi a “etiqueta da academia” na Alemanha. Por si só, academia aqui é bastante diferente do Brasil, em um nível que considero incômodo. Alemão que é alemão gosta mesmo é de fazer esporte ao ar livre. Ou coisas mais específicas mesmo: futebol, esqui, mountain-bike, etc. Academia é para dias frios no inverno e olhe lá. Portanto, musculação e academia não são populares igual no Brasil, apesar de a oferta ter aumentado bastante nos últimos anos. A maioria das academias só faz plano anual (apesar de ter uma aqui perto de mim – tosquinha – em que você paga só o mês que usa) e se você quiser cancelar tem que ser por escrito 4 meses antes do plano vencer, senão mais um ano será descontado da sua conta. Eu particularmente acho isso um saco! Personal Trainer (saudades, snif) é coisa de celebridade – a cena de uma pessoa inteiramente por sua conta te ajudando a fazer exercícios na academia seria algo completamente louco no contexto cultural daqui, além de muito caro (uns 100 euros por hora). Em academia de gente “normal” você vira atração turística se tiver um personal, e olha que nem sei se eles permitiriam.

Ano passado tive experiências em academia, mas elas se agudizaram essa semana quando resolvi mudar para uma academia mais equipada e high-tech. Eu sinceramente não sei o que acontece se você for brasileiramente à academia aqui – talvez alguém chame sua atenção, mas talvez ninguém fale nada e só observem te achando o maior porcalhão. Esse mico me foi poupado porque meu marido me entregou o ouro logo no início. Para compatriotas que não queiram pagar mico, explico: para começar, nada de ir para a academia já com a roupa de malhar – você leva em uma mochila e troca lá. E isso vale principalmente para o tênis – eles consideram o galpão um lugar super limpo, os instrutores até de meia ficam. A maioria dos alemães têm um tênis só para academia – então a gente leva o tênis (limpo!) na mochila também, jamais entra com ele. Outra coisa que percebi é que eles possivelmente acham o suor alheio a coisa mais nojenta do universo – você tem que levar sua toalha e SEMPRE forrar os aparelhos com ela onde seu corpo vai entrar em contato. Em aparelhos como elíptico, depois que você usa tem que limpar onde pegou com as mãos com álcool e papel toalha, como cortesia para o próximo freguês. 🙂

Por fim, ir à academia é sinônimo de “pegar uma sauninha”. Saunas aqui são um capítulo à parte, mas adianto que são muito populares, mistas e tem que ir pelado. Por isso ainda não fui e acho que vai demorar um pouco para eu abrir minha cabeça neste aspecto. 🙂 O ambiente de musculação é também bem diferente – um silêncio mortal, sem música no fundo, cada um ocupado com seu exercício e sem aqueles BONS PAPOS e gargalhadas que vemos no Brasil.

Agora a cereja do bolo – não foi apenas meu primeiro grande choque cultural aqui – foi também meu primeiro grande MICO com a língua alemã. Interessante o mico ter chegado só agora, que jurava já estar imune. Fui fazer avaliação na academia nova (isso nunca tinha feito aqui). Na hora de fazer a bioimpedanciometria o homem (lindo e alto e forte) pediu pra eu subir na balança. Ele pediu para eu tirar as meias antes. A palavra que ele usou para dizer “meias” é a segunda mais comum (eu usaria outra) e eu confundi com a palavra meia-calça. Como eu não sabia se tinha outra palavra alemã para legging eu achei que era pra eu tirar a calça. Foi tudo muito rápido, eu conhecia todas essas palavras e não sei o porquê de ter trocado. Achei estranho porque a porta da sala tava aberta, mas pensei “deve ser coisa de alemão, eles ficam pelados na sauna, né?”. O pior é que tinha colocado uma daquelas calcinhas sem costura pra usar com vestido de festa – BEGE, minha única calcinha bege. Justamente porque eu não queria marca nenhuma na legging para ser o mais discreta o possível no primeiro dia. CALÇOLA de vó. Daí eu tiro a calça, olho pra cara do homem e percebo meu erro. Sabe aquele episódio de Friends em que o Ross tenta beijar a prima e daí fica em silêncio pensando no que vai dizer, pensando “SAY SOMETHING!!!” – pois é, foi tipo isso – eu só disse “ai, entendi errado, no Brasil é assim“. kkkkkkkkk Cadê o buraco para eu enfiar a cara?

Pior que depois eu ainda não sei se quero ir pra essa academia mesmo – fiz o teste e achei muito salgado para o que promete. Acho que vou continuar na minha tosca com os halterofilistas desdentados.

* Obs: Meu instagram novo –> http://instagram.com/anacris.lc

Beijos!

24
novembro
2014

Quando o diastema volta

Postado por Ana em Crônicas cosméticas

Primeiramente, obrigada pelos comentários no último post. Sem palavras pra agradecer tanto carinho… Ali falei sobre um pequeno sucesso, hoje vou falar de um fracasso! Daí azinimiga se alegram também e ninguém fica triste!!! 🙂

Minha vida É um DENTE. O dente é um sol ao redor do qual gira minha vida.

Pra começar, passei minha infância na cadeira do dentista.Escrevi aqui sobre isso. E, pra piorar, eu tinha os dentes mais tortos que um ser humano pode ter. Se você acha que a Thássia Naves não sorri para fotos é porque não me conheceu na infância. Minha boca nem fechava direito, era dente pra tudo quanto é lado.

diastema“Ana Naves” em ação

Eu não tenho nenhuma foto sorrindo com a boca aberta de quando era criança maiorzinha – eu morria de vergonha. Quando ria “ao vivo” colocava a mão na frente na boca – demorei anos pra perder esse hábito, aliás. Aos 12, finalmente comecei a usar aparelho móvel e “freio de burro” (este último só à noite, ainda bem). Nos fins dos 13 coloquei o aparelho fixo e após 1 mês o mais importante aconteceu: o diastema (aquela lacuna entre os dentes) entre meus incisivos superiores fechou como mágica. E daí foram mais 4 anos usando fixo + freio de burro à noite. Quando tirei o fixo tinha quase 18 anos e continuei usando móvel à noite. Meus dentes ficaram com alinhamento ótimo (apesar de terem descalcificado um bocado ao longo do tratamento), mas eu pude finalmente deixar aparelhos meio de lado. Após algum tempo sumi do ortodontista (guilty!) e nem usava mais aparelho nenhum. Isso durou bastante tempo, foram anos felizes sem diastema. Até eu mudar pra essa terra da salsicha, onde a Odontologia é uma ciência curiosa. Dentistas aqui são, via de regra, os profissionais mais bem-pagos do país (encabeçam as listas de renda), mas no geral os alemães não cuidam bem dos dentes, quase ninguém liga pra dente e a ortodontia (“aparelho”) não é para todos. Muita gente tem dentes tortos – e está bem assim. E, no meu caso, que tive em 2014 o maior problema burocrático com seguro de saúde, só tenho direito a atendimento odontologico de urgência por enquanto. Se eu quiser fazer uma visitinha “de rotina” posso bem separar alguns milhares de euros. Meu marido fez um mini tratamento esse ano e pagou 3 mil euros (o seguro reembolsa). Se eu quiser usar aparelho nos dentes aqui, VIXE, posso vender um rim pra pagar uma parte. E foi nesse contexto que meu diastema, vagarosamente, voltou a se formar.

diastemamain

Após uns 10 anos sem usar aparelho. Ironias da vida … Se eu estivesse em BH isso seria zero problema. Não está muito grande (cabe uma folha de papel), mas se eu não fizer nada vai só piorar. E a estética é o menor dos problemas. Às vezes, quando estou comendo ou até fazendo biquinho pra passar blush (qualquer coisa que crie uma pressão negativa, sei lá ) o “freio” fica preso dentro do diastema e não solta fácil. São uns 30 segundos de pura dor (imagina quando estou em público) até eu conseguir soltar a porcaria do freio.

Pelo que pesquisei, existem vários motivos para um diastema recidivar- e, para quem se interessar, há um bom arquivo resumindo o tema “diastema entre incisivos superiores” aqui. Acho que, no meu caso, do alto da minha leiguice, as hipóteses mais prováveis são

1) Toque anterior da mordida (?)
2) Memória periodontal (?)
3) Inserção inadequada do freio bucal (?)

Ou tudo isso junto! Uma amiga da minha irmã é ortodontista e se propôs a fazer o máximo possível para ajudar com meu problema “à distância”. Tipo planejar uma solução com base em fotos e tal. Mas como só vou ficar uma semana em BH é impossível querer resolver tudo dessa vez. Vou consultar com ela agora para, na próxima visita, quem sabe, poder resolver o problema de vez (aparelho? Cirurgia? Não sei…) Eu fiz em casa um teste que ela me passou e parece que é o freio mesmo – eu nunca nem tinha reparado que tinha um, nem sabia que era freiúda. 🙂 De qualquer forma, mesmo resolvendo a causa, tenho que fechar esse espacinho que se formou. Sabe-se lá como e quando. Vou repetindo o mantra enquanto isso: Brigitte Bardot também tem, Brigitte Bardot também tem …

bardotQuantas reencarnações necessárias para eu nascer assim, hein?

Quando eu postei que diastema estava na moda não poderia imaginar que euzinha entraria na moda em tão pouco tempo. Acho que um anjo leu o meu post e falou “amém”.

Toma, distraída!!!!

Beijos aguardando opiniões das leitoras dentistas e/ou diastemudas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Página 3 de 1912345678910